Fechar

Login

22

Jun

2017

Peregrinação Diocesana a Fátima - 17 de junho de 2017

Milhares de fiéis da nossa diocese peregrinaram até ao Santuário de Fátima, no passado sábado, assinalando uma presença em ano de Centenário das Aparições e vivendo, junto da Mãe, mais um Dia da Família Diocesana.

A data há muito havia sido fixada, atendendo ao interesse diocesano de a ver colocada no final do ano pastoral e à disponibilidade do Santuário de Fátima para nos acolher. E foi a presença de outros grupos e a existência de outras actividades que não nos permitiram aceder a outros espaços para estarmos mais juntos e com outra comodidade. Mas as gentes de Lamego corresponderam ao convite e o programa cumpriu-se.

As previsões apontavam para temperaturas perto dos 40 graus e pouco se enganaram. O muito calor que o dia 17 de junho nos trouxe libertou-nos do peso da roupa, mas também incentivou à procura da sombra e a poucas caminhadas. Mas bem cedo começaram os autocarros a circular e a estrada encheu-se, bem como alguns pontos de paragem, onde a sede era vencida e as merendas começavam a cumprir a sua missão. Atendendo a que se inscreveram seis mil peregrinos, foram necessários cerca de 120 autocarros. Tantos que outras pessoas não puderam viajar, porque já não existiam meios de transporte disponíveis.

Os lamecenses chegaram cedo a Fátima e aproveitaram para rezar ao Senhor, visitar a Mãe, marcar presença em diferentes espaços daquele santuário, ver marcas do centenário em curso (pórticos, terço, painéis com os novos santos, coração…), cumprir alguma promessa, comprar algumas lembranças, conseguir um lugar confortável na zona da Capelinha. O programa apontava para a recitação do Rosário, ao meio-dia, mas afinal isso não acontece ao sábado. E esperámos para a Eucaristia, prevista para as 12h30.

Presidiu à celebração eucarística D. António Couto, acompanhado por D. Jacinto Botelho, dois diáconos, cerca de sessenta sacerdotes da nossa diocese e os muitos peregrinos, maioritariamente de Lamego, que tornaram demasiado pequeno o espaço da Capelinha das Aparições. O canto foi assumido, e bem, pelo Coro da nossa Catedral.

 

 

Prontidão fraterna

 

Na homilia, o nosso bispo começou por saudar todos e exteriorizar a sua alegria diante de uma presença humana tão numerosa de irmãos vindos de vários lugares para “estar na casa da Mãe e na casa dos pequenos Francisco e Jacinta que nos ensinam a viver na clave verdadeira da vida, não muito alta, mas no coração”.

E foi olhando para os mais recentes santos da Igreja que D. António Couto convidou os peregrinos a uma nova maneira de estar na vida, mais concretamente através da mansidão e protagonizando uma verdadeira fraternidade. Valorizar as coisas mais pequenas e belas da vida.

A propósito da primeira leitura (chamamento de Samuel), D. António sublinhou a “prontidão de uma criança” (Samuel) diante do “Deus que andava naquela história”, a quem escutou e a quem respondeu. Afinal, o segredo de uma vida preenchida está em ver o ponto primeiro, Deus. Porque sem Deus Pai a humanidade fica ferida, à deriva e os homens deixar de se olhar como irmãos.

 

Igreja a caminho

 

Após o almoço, os peregrinos foram aparecendo para a caminhada até ao Calvário húngaro, ao longo da qual escutaram textos para as Estações da Via-sacra dispostas no caminho. No termo da caminhada, feita sob um sol escaldante, uma palavra final do pastor diocesano para sublinhar a alegria do encontro e para desejar a todos os seus diocesanos as graças de Deus. A caminhada faz-se com pequenos caminhos e o importante é ir subindo, aproximando-se de Deus e não desperdiçar os dons recebidos nem os irmãos que caminham também. E foi com a bênção que nos despedimos.

Os autocarros foram recolhendo os seus passageiros e iniciaram o trajecto de regresso. É verdade que o calor foi demasiado, que os milhares de peregrinos lamecenses mereciam outros espaços, mas foi o que se conseguiu arranjar. Mas importa. Sobretudo, sublinhar a grande adesão da maior parte das nossas paróquias e o entusiasmo dos nossos párocos que, desde cedo, se empenharam na organização e vivência desta peregrinação. Uma palavra também para os Coordenadores da Pastoral diocesana que se esforçaram por organizar esta actividade conjunta.

 

JD, in Voz de Lamego, ano 87/32, n.º 4417, 20 de junho 2017