Previous Next

Arciprestado de Lamego - 3º Encontro de Acólitos

Na manhã de 3 de fevereiro, cerca de 80 acólitos de 13 paróquias do arciprestado de Lamego, acompanhados pelos respectivos párocos, rumaram ao Seminário de Lamego para um momento de encontro e formação que se tem repetido de há três anos a esta parte.

A preparação e orientação ficou a cargo do Monsenhor Bouça Pires, responsável pela pastoral litúrgica no arciprestado. Em reunião do clero, ficou determinado que esta formação estaria focalizada no lema do ano pastoral em curso: “vai e faz tu também do mesmo modo”.

Após o acolhimento, o Monsenhor Bouça Pires falou da Eucaristia como sacramento do amor, apontando o exemplo de S. Tarcísio, padroeiro de todos os Acólitos, e de S. Francisco (o Pastorinho de Fátima), padroeiro dos Acólitos portugueses, que tiveram um amor muito profundo a Jesus na Eucaristia.

Numa segunda parte, os acólitos foram divididos em dois grupos, onde se abordaram assuntos mais práticos. O acólito Cassiano, membro do Serviço Nacional de Acólitos e oriundo da nossa diocese, orientou o grupo dos mais crescidos. Os acólitos mais pequenos ficaram a cargo do capitão Fábio Lamelas, responsável dos acólitos da paróquia de Penude.

De seguida, os sacerdotes e os acólitos, já com a sua túnica, foram em procissão até à capela, cantando o Hino do Acólito. Aí decorreu um momento de oração junto do Santíssimo Sacramento. Alguns elementos dos jovens da Sé ajudaram no canto.

Terminámos este encontro com o almoço no refeitório o Seminário, que foi também, um momento de convívio saudável entre os acólitos das várias paróquias.

Para avaliar os resultados, nada como registar aqui o testemunho de alguns acólitos.

“O que mais gostei nesta formação foi o encontro com os outros acólitos. Acho importante o convívio. A capela onde rezámos era muito bonita. Esta formação é muito importante e necessária, porque há acólitos que entram e, assim, aprendem como se usam os utensílios da igreja. E os outros têm sempre algo a aprender. Mas, mais importante para mim foi aprender a oração e o Hino do Acólito. Simplesmente adorei.” (Xavier)

“Estivemos a falar sobre o que é ser acólito, sobre os procedimentos que devemos ter na celebração da Eucaristia, dos nomes dos utensílios utilizados e das funções dos acólitos dentro e fora da igreja. Em seguida, fomos em procissão para acapela do seminário, cantámos o Hino do Acólito, rezámos e ouvimos as palavras do Sr. Padre que nos disse para não termos vergonha de sermos acólitos. Esta formação foi muito importante para todos os acólitos, pois fortaleceu a nossa vontade de ajudar os outros”.
(Duarte Ferreira)

“O encontro foi bastante enriquecedor. Mais de 60 acólitos reuniram-se com um único interesse: aprender como podemos melhorar o serviço do altar para que todos o possamos embelezar mais. Para os mais crescidos, depois de uma reflexão conjunta sobre os valores do acólito, houve uma actividade onde relembrámos nomes específicos dos utensílios da missa, para que possamos usar correctamente esses nomes no nosso serviço ao altar. De seguida, já todos vestidos de branco com as nossas alvas limpinhas, fomos em cortejo para a capela do Seminário na qual adorámos o Santíssimo. No final da manhã, fomos presenteados com um óptimo almoço. Este pequeno “retiro” foi bastante bom. Para os mais crescidos, ajudou-nos a aprender mais e melhorar, mas, sobretudo, ensinou aos nossos pequenos reguilas um pouco mais para que, um dia, também eles possam ser excelentes Acólitos (com A grande) e, tal como nós, tenham o gosto de ensinar à próxima geração esta arte tão gratificante de ser um acólito.”
(Daniela Botelho)

“Assim que chegámos ao Seminário tivemos uma pequena palestra todos juntos na qual cantamos o nosso hino e foi-nos esclarecido o nosso dever. Depois de um curto intervalo fomos divididos e houve uma formação para as crianças e uma para os adolescentes/adultos. Na parte da formação em que estive foi-nos apresentado as alfaias litúrgicas e as funções. No fim, houve uma pequena ficha. No final da manhã, assistimos a um tempo de oração seguido, depois, de um almoço de convívio. Foi uma experiência inesquecível e esperemos que para o ano se repita.”
(Leandra)

P. José Ferreira, in Voz de Lamego, ano 88/10, n.º 4447, 6 de fevereiro de 2018

Para ver o ÁLBUM COMPLETO visita a Diocese de Lamego no Facebook.

A acontecer...

Pesquisar

Redes Sociais

Fale Connosco

  254 612 147

  curia@diocese-lamego.pt

  Rua das Cortes nº2, 5100-132 Lamego.

Contacte-nos

Rua das Cortes, n2, 5100-132 Lamego

 254 612 147

 curia@diocese-lamego.pt

 254 612 147

Este site usa cookies para uma melhor experiência de utilização. Saiba mais.